Scroll to top

TikTok? Por enquanto não, obrigado!


Ericelmo Augusto - 23/01/2020 - 2 comentários

Por esta altura já deves saber o que é o TikTok. Na verdade, não há muito para contar. É uma rede social chinesa que, segundo os experts, tem potencial para enfrentar o malvado Mr. Zuckerberg.

Aparentemente mashups de músicas e vídeos é a nova moda nas redes sociais. Como será que os kotas (velhos) Facebook e Instagram vão reagir?

Disclaimer: ainda estou para experimentar esta invenção chinesa. Mas honestamente não tenho pressa. Talvez isto faz de mim um kota.

Mais um FOMO dos marketeers

shutterstock.com

Admito que chegar primeiro faz diferença. Todavia, num mundo inundado de informação, a curva de aprendizagem é exponencial. Por outras palavras, o processo de aprendizagem é rápido. Logo, qual é a pressa em ser TikTok Expert?

Repara que a estratégia será a mesma: conteúdo, conteúdo, conteúdo… venda! O alcance orgânico vai diminuir a medida que as marcas aumentarem o gasto em anúncios. Os usuários eventualmente vão ficar saturados e migrar para outra app.

Este é o ciclo das redes sociais. Não tenhas de medo de perder este comboio pois todos têm o mesmo destino: a experiência do consumidor. É a consistência, não a histeria, que fideliza o cliente.

No final, tudo isto resume-se ao espaço onde o cliente se encontra ou o canal mais eficiente. Por exemplo, o email continua a ser um dos melhores canais para interagir com os clientes. Em determinados casos, as marcas apostam forte na distribuição de panfletos e cartas em papel.

Quando replicar é mais eficiente

ilustração de aluno usando o smartphone durante o exame

Photo illustration by Kat Owens

Vejamos, o Snapchat trouxe funcionalidades surpreendentes que hoje tomámos por garantidas: stories, face filters, etc. O sucesso foi tão grande que em 2013 o Mr. Zuckerberg não resistiu a sedução. Este declarou o seu amor oferecendo três mil milhões de dólares. Todavia, o menino Evan Spiegel recusou a proposta de casamento.

Sendo o ódio o reverso da moeda, só havia uma solução: guerra. 

A estratégia foi usar o feitiço contra o feiticeiro. As principais funcionalidades do Snapchat foram reproduzidas nos produtos Facebook, Instagram, Messenger e WhatsApp. Desta forma, o Snapchat passou a competir diretamente contra 4 gigantes. 

Imagina 1 David contra 4 Golias.

No entanto, desta vez Mr. Zuckerberg não tem qualquer intenção de namorar a concorrência. Como se não bastasse o Facebook (app) ser barrado na China, os chineses ousaram internacionalizar uma rede social/app que teve mais de 735 milhões de downloads em 2019. Sinceramente acho muito engraçado quando ele apela um maior escrutínio público sobre o TikTok. Basicamente, ele acusa a concorrência de más práticas de segurança e privacidade.

Wow, sente a ironia!

Especula-se que a app Lasso (criada pelo Facebook) é a arma secreta contra o TikTok porque as funcionalidades são similares. Atualmente, o Lasso é praticamente desconhecido e apenas está disponível nos EUA e México. Espera-se que seja lançado na Índia no mês de Maio 2020.

Parece-me a calma antes da tempestade.

America first, America first 

Bandeira americana

Photo by Joshua Hoehne on Unsplash – USA flag

Na terra do Senhor Xi, as empresas chinesas estão obrigadas a ceder os seus dados ao governo chinês, sempre que for solicitado. Isto é uma lei que chateia o Mr. Trump porque existe o risco da China espiar os cidadãos americanos sem qualquer restrição.

Num regime ditatorial obcecado em controlar os cidadãos, que inclusive criou um sistema de crédito social onde os maus cidadãos são marginalizados, faz todo o sentido recear os objetivos do líder comunista.

O mundo é um enorme espectáculo. Sendo o maior palco a terra do Tio Sam. Ainda que o Senhor Xi venha a possuir tecnologia superior, grande parte de nós, quando se fala de privacidade e segurança, apoia o Mr. Trump. Este último representa uma nação que simboliza os valores de privacidade e liberdade de expressão. Valores que se tornaram-se direitos humanos.

Em suma, se o TikTok não convencer as autoridades americanas, e consequentemente a Europa, o seu crescimento estará sempre condicionado. Pode ser que a empresa seja forçada a vender parte do seu capital (equity) a investidores americanos de modo a apaziguar o Tio Sam.

Final Thoughts

Durante muito tempo os chineses eram apenas reconhecidos pelo hardware. Contudo, muitas vez infringindo patentes americanas. Hoje reconhecemos a criatividade deles no desenvolvimento de software.

Facebook vs TikTok é apenas o início. Talvez a próxima guerra aberta seja entre Google (Android OS) e Huawei (Harmony OS). De qualquer forma, aquilo que podemos esperar com toda a certeza são mais inovações vindas da China.

2 comentários

  1. Julio

    Experimenta o TikTok, ele supera o Youtube em objetividade e o Instagram no duelo “criatividade x status”.

    • Ericelmo Augusto

      Olá Julio, tenho vindo a acompanhar o TikTok de longe. Acho interessante a forma de monetizar as transmissões ao vivo.

Publicar Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *