Scroll to top

Amor e Ódio – A Minha Relação com o YouTube


Ericelmo Augusto - 06/03/2019 - 2 comentários

Há momentos que preciso rever esta longa relação. Toda vez que vou ao YouTube sou inundado por vídeos aliciantes. Cada um mais suculento que o outro. É o paraíso dos vídeos. Sinto-me como Charlie na Fábrica de Chocolate. Wow, this is amazing!

Meus caros, esta é a parte amorosa. O algoritmo do Google estuda o nosso comportamento e sugere conteúdos de acordo com as nossas preferências. Imagina ires ao teu centro comercial favorito e, pelo menos, 80% das lojas venderem exatamente os produtos e serviços que tu mais gostas. Seria perfeito, certo?

Pena isto acontecer apenas no mundo digital…

Talvez o tio Jeff Bezos já tem a solução. Vamos aguardar.

Todavia, há sempre um lado negativo. Ou talvez menos positivo. É o yin-yang da vida.

Agora imagina que tens pressa em esclarecer uma dúvida: já sabes o que procurar, escreves o mágico endereço na barra URL, aguardas 2-3 segundos, as portas do paraíso abrem e quando estás prestes a iniciar a pesquisa…

Espera, o que estás a fazer!? Não disseste que ias pesquisar aquela coisa estranha de Matemática? Porque razão estás a ver vídeos da Anitta (Vai Malandra)?

Não interessa. Vou repetir a pergunta: o que estás a fazer?

Então, já começas a sentir o ódio? É bom saber que não estou sozinho na luta. A internet é o vício dos vícios. Tem o seu próprio yin-yang. Logo, é necessário encontrares o teu próprio equilíbrio.

O YouTube tem um pouco de tudo: informação, entretenimento, educação, reportagens, etc. Penso que o segredo é encontrar aquilo que procuramos e deixarmos a plataforma após atingirmos o objetivo previamente definido.

É como fazer compras na praça: tens de navegar pelo estranho mar de comerciantes que tentam pescar a tua atenção – que vale milhões de dólares – até encontrares a Terra Prometida.

Por isso, sempre que fores a casa do tio Willy Wonka deves perguntar, ou pelo menos pensar, antes de começares a comer.

Instagram, Twitter, Facebook, etc. Qual é a rede social que te consome mais tempo? O que fazes para evitar o excessivo consumo?

Publicar Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *